Reencarnação ou encarnação? Existe diferença?

reencarnação ou encarnação

Reencarnação ou encarnação? Existe diferença?

Quando tentamos compreender o significado dos termos “encarnação” e “reencarnação”, logo concluímos que encarnar é entrar em corpo carnal e reencarnar é retornar à vida em outro corpo, sucessivas vezes, o que para a Igreja Católica significa a ressurreição dos corpos no dia do juízo final.

Em síntese popular, acredita-se que a encarnação é o ato de entrar pela primeira vez na carne e, reencarnação, a ação de reentrar novamente – a partir da segunda.

Para o Espiritismo, que pode ser considerada a Doutrina da Reencarnação, esses termos possuem sutilezas conceituais. E para Kardec, que criou uma escala espírita para compreendermos melhor tais diferenciações, os espíritos imperfeitos – que somos nós em grande maioria – necessariamente estão submetidos às provas e às expiações. Espíritos bons estão submetidos somente às provas e, espíritos puros, nem às provas, nem às expiações.

Portanto, para nós que somos espíritos imperfeitos, reencarnar é entrar de novo na carne por meio das provas e das expiações. É aí que se encontram as diferenças entre o senso comum do termo e a consideração espírita sobre ele.

reencarnação ou encarnação

Considera-se assim a conceituação espírita de Allan Kardec:

– Espíritos imperfeitos reencarnam (estão submetidos às provas e às expiações). A matéria predomina sobre o espírito. Sofrem as boas e as más paixões;

– Espíritos bons também reencarnam (estão submetidos apenas às provas). Sofrem a influência da matéria, mas predominam sobre ela. Sofrem apenas as boas paixões;
– Espíritos puros não reencarnam, só encarnam (não mais estão submetidos às provas, nem às expiações). Não sofrem a influência da matéria. Nunca sofrem paixões.

Um bom exemplo dessas diferenciações é pensarmos que quando Jesus voltou à Terra ele encarnou e não reencarnou, pois encontrava-se na condição de espírito puro em seu inesquecível retorno. E se retornasse nos dias de hoje, ainda como espírito puro, novamente encarnaria.

Jesus, do ponto de vista corporal, teve um corpo como o nosso quando encarnado. Do ponto de vista espiritual, é considerado espírito puro que não sofre de paixões humanas. A paixão de Cristo, na visão espírita, não existe, já que Jesus nunca teve paixões, não ficou triste, nem com raiva, muito menos aborrecido, nervoso ou mesmo amargurado.

Aproveite e aprenda como o mundo foi preparado para receber Jesus.

Sendo assim, ao diferenciarmos esses termos pela ótica espírita, observamos que não há contradições conceituais nas obras espíritas organizadas por Allan Kardec. Quando ele disse em A Gênese, por exemplo, que Jesus encarnou, deixa claro que Espíritos Puros, como é o caso do nosso Mestre Maior, já percorreram todos os graus da escala evolutiva e não estão mais sujeitos à reencarnação.

As provas e as expiações

reencarnação ou encarnaçãoSão conceitos amplamente questionados nos dias de hoje e que costumam confundir muito. Em seu tempo, Allan Kardec foi muito claro em suas explicações, dizendo que uma expiação nunca é imposta ou mesmo involuntária, já que ela pode ser naturalmente escolhida pelos espíritos reencarnantes.

Pela conceituação espírita, toda expiação é prova, um subconjunto das provas. Porém, nem toda prova é expiação, pois há sofrimentos e provas escolhidas pelos espíritos que não têm relação direta com o seu passado delituoso.

Para Kardec, o que caracteriza a expiação é a sua vinculação com um grande erro praticado em vidas passadas, que não deixa de ser uma experiência de prova vinculada a uma consequência grave ocorrida no pretérito.

Em síntese: no ato da preparação de nossa reencarnação na Terra, podemos escolher, com o auxílio dos instrutores espirituais, expiar determinado erro cometido em vida anterior. Simples assim.

Erros muito comuns

Quando estamos mergulhados em um mundo de provas e expiações, como ainda se encontra o nosso, e vemos uma pessoa em eterno sofrimento num mar de dores infindáveis, logo dizemos que fulano está em dura expiação.

Nem sempre! É o caso de muitos espíritos encarnados que, desde o nascimento, são portadores de doenças graves. No entanto, esses não estão necessariamente em expiação, podem ser provas por eles escolhidas para adquirir determinado conhecimento necessário à sua evolução.

Lembramos: todo cuidado é pouco para não julgarmos os nossos irmãos em extrema dificuldade física, material, social ou mesmo moral, apontando nós, inconsequentemente, suas condições como expiação, o que pode ser ou não ser.

Afinal, qual a finalidade de nossa reencarnação?

reencarnação ou encarnaçãoPara o competente Richard Simonetti, é a de “promover a nossa evolução”. Diz o dedicado escritor espírita que “no estágio primário de evolução em que nos encontramos, necessitamos das limitações impostas pela carne, que agitam nossa alma ao mesmo tempo em que nos habituam às disciplinas do trabalho”.

E você, considera-se espírito imperfeito ou espírito bom? Acredita que, atualmente, esteja passando por provas ou por expiações? Escreva-nos sobre o que pensa.

reencarnação ou encarnação

Comentários

comentários

Compartilhe

Comments (2)

  • Maria amelia l d rosa gonçalves Reply

    Gostei e otima

    20 de abril de 2016 at 01:30
  • Arnaldo Ribeiro ou Israel Reply

    QUANTAS REENCARNAÇÕES EU TIVE?

    VIVA JESUS!

    Bom-dia! queridos irmãos.

    Esta é uma pergunta que surge naturalmente a todo espírita.

    A curiosidade é geral. Temos interesse em saber quantas vidas ti-vemos, em que regiões, que línguas falamos, profissões que tive-mos, habilidades, competências, nossos gostos e preferências, nossas amizades e amores, coisas boas vividas, felicidades.

    Entretanto, existe também o outro lado. Quanto sofremos, o que demoramos ou até não conseguimos aprender, as pessoas que magoamos, as tristezas que tivemos, os acessos de ódio e loucura, o que fizemos de errado, o que deixamos de fazer, as experiências que nos marcaram e ainda hoje influenciam nosso modo de ser.

    A vida é um processo dentro do determinismo divino de evoluir e conquistar gradativamente novos níveis de entendimento, capacidade e felicidade.

    A reencarnação é um instrumento dessa evolução que ocorre em todos os aspectos e direções, sintetizadas pelas expressões intelectuais e emocionais.
    Nossa origem é a dimensão espiritual. O Espírito aprende e evolui em qualquer lugar que esteja. As encarnações são como uma escola que passamos algum tempo para aprender algumas lições, mas não todas, pois temos muita coisa a aprender e precisamos de escolas diferentes.

    Para a maioria dos Espíritos que já se decidiram a serem bons, melhorarem e se tornarem cada vez mais úteis, a chamada erraticidade, o mundo espiritual, é onde aprendemos bastante, principalmente nos aspectos intelectuais. Temos mais oportunidades de receber orientação de Espíritos mais adiantados, de frequentar escolas e, principalmente, de utilizar mais intensamente os nossos recursos de inteligência sem a intermediação de cérebro, nervos e percepções acanhadas amortecidas pela matéria.

    Na linha de evolução podemos supor que, inicialmente, os Espíritos tendem a precisar mais da encarnação, para no final, ou mais adiante dessa linha, não ter tanta necessidade.

    Existem Espíritos desequilibrados que permanecem sem encarnar por séculos, assim como ficam muitos Espíritos superiores.

    Segundo a ciência, os humanos anatomicamente modernos (Homo sapiens) surgiram na África há cerca de 200 mil anos, adquirindo há cerca de 50 mil o comportamento próximo ao homem de hoje. Com cérebros menores e comportamentos mais primitivos, como a Ramapithecus, a sua origem remonta a 13 milhões de anos.

    Estima-se que as civilizações mais antigas surgiram há oito mil anos. Nesse estudo vamos presumir que o Espírito tenha tido oportunidade de encarnar em ambiente mais civilizado desde dez mil anos. Isso re-presenta 100 séculos.
    Para efeito de especulação estatística podemos assumir que temos a chance de encarnar, em média a cada cem anos. Isso considerando que o ser humano tenha vivido menos anos nas existências dos séculos anteriores e que devemos passar pelo menos o mesmo tempo de encarnado na erraticidade.

    A partir dessas premissas chegamos ao número máximo de encarnações nos últimos 10 mil anos do mundo civilizado: 100 vidas. Uma outra informação revelada pelos Espíritos diz que existem mais Espíritos desencarnados do que encarnados. Talvez 3 ou 4 vezes mais.

    Bom, isso não é tudo. Teremos de dividir esse potencial de encar-nações por 4, para dar oportunidade a todos. Assim, reduzimos nossas possibilidades de encarnações a 25 nesse período. Estamos nos referindo a uma média potencial, cada caso é um caso.

    Tem outra variável que dificulta ainda mais nossa estatística. Temos de considerar também a possível migração de Espíritos entre os mun-dos existentes nessa imensidão que é o Universo. Como esse cálculo tem de considerar as entradas e saídas de Espíritos no planeta, proponho considerar que as quantidades sejam semelhantes e, assim, podemos manter a nossa projeção numérica, apenas como exercício para o estudo das quantidades de encarnações possíveis.

    Então temos a média de 25 encarnações nos últimos 10 mil anos. Alguns puderam ter um pouco mais e outros um pouco menos. Caso forem verdadeiras as informações sobre as vidas de Chico Xavier desde 1490 A.C., chegaremos a 12 encarnações, ou uma encarnação a cada 292 anos. Mantido esse intervalo de anos e estendendo ao período de 10 mil anos, o Chico teria tido cerca de 34 vidas na Terra, número maior que a nossa média de 25.

    Certamente há muitas outras variáveis que afetam a decisão ou a possibilidade de encarnar. O assunto realmente é muito complexo. Não encarnamos sozinhos. E as nossas relações com os outros Espíritos que devem ser aproveitadas nas encarnações? Como conciliar tantos interesses e necessidades em um mesmo período de tempo e espaço?
    Após todo esse esforço mental, talvez passe pela sua mente, caro leitor, que a encarnação é algo muito próximo da fantasia, distante da realidade! Será? Então pense nas recentes descobertas da ciência: curvatura do tempo, teoria das cordas, big bang, multiverso ou multiuniverso, matéria escura, buraco negro, antimatéria, dualidade onda-corpúsculo e muitas outras descobertas e estudos que intrigam nossos cientistas.

    A vida material e espiritual oferece infinitas possibilidades voltadas para nossa evolução, criadas por uma mente infinitamente boa e superior. A possibilidade de reencarnar é uma oportunidade imensa de acelerar o aprendizado. Muito disputada, e que temos de buscar o aproveitamento máximo.

    Ivan Franzolim

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/reencarnacao/quantas-reencarnacoes-eu-tive/#ixzz4iCLLBRtm

    Não nos é importante, nesta vida, sabermos das nossas vidas passadas. Seria uma curiosidade sem sentido e talvez perturbadora.
    A coisa mais importante é saber que a cada momento nós estamos criando nosso karma, nós estamos criando nossa próxima vida bem agora.
    Por isso o Mestre Jesus nos disse:
    Matheus 6:25-34 Portanto, vos afirmo: não andeis preocupados com a vossa própria vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que as roupas? 26 Contemplai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem armazenam em celeiros; contudo, vosso Pai celestial as sustenta. Não tendes vós muito mais valor do que as aves? 27 Qual de vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar algum tempo à jornada da sua vida? 28 E por que andais preocupados quanto ao que vestir? Observai como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. 29 Eu, contudo, vos asseguro que nem Salomão, em todo o esplendor de sua glória, vestiu-se como um deles. 30 Então, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé? 31 Portanto, não vos preocupeis, dizendo: Que iremos comer? Que iremos beber? Ou ainda: Com que nos vestiremos? 32 Pois são os pagãos que tratam de obter tudo isso; mas vosso Pai celestial sabe que necessitais de todas essas coisas. 33 Buscai, assim, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. 34 Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. É suficiente o mal que cada dia traz em si mesmo.

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/reencarnacao/quantas-reencarnacoes-eu-tive/#ixzz4iCqZzLjL

    26 de maio de 2017 at 18:19

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>