Quem não tiver pecado que atire a primeira crítica

crítica

Quem não tiver pecado que atire a primeira crítica

Em janeiro de 1858, ao lançar a Revista Espírita para o mundo, Allan Kardec escreve uma expressão de grande utilidade, dizendo aos seus leitores que “discutiremos, mas não disputaremos”. Fazendo isso, o mestre enaltece o periódico espírita como tribuna aberta à discussão, longe dos comentários escandalosos, das queixas vexatórias, dos azedumes sem fim, ou mesmo dos apontamentos irônicos.
Kardec sabia muito bem que as referências verbais ou escritas são fatores de indução e, como na Doutrina Espírita não há lugar para fé cega, é essencial evitarmos as vãs indagações, as críticas mordazes e as especulações insensatas.
A casa espírita é ambiente positivado no amor, que sempre nos convida a substituir a crítica pelo apoio fraterno no trabalho coletivo. E mesmo quando estamos intimados ao serviço de correção no centro espírita, sugere-se nunca executá-lo sem nos colocarmos no lugar do companheiro passível de reprimenda, para que a nossa palavra perca a propriedade de ferir.

Então, devemos evitar as críticas no meio espírita?

Não exatamente! Todas as críticas, seguras e construtivas, elevam-se à feiçãocrítica de advertências preciosas na base do dever. Quando sensata e sincera, conduz à prática segura da vigilância, permitindo-nos utilizar o crivo da razão de que tanto nos recomendou Kardec. A crítica agregadora não nos abdica de pensar com a razão, que é um direito supremo e dever intocável do espírito.
Quando Espírito Emmanuel, por meio da psicografia de Chico Xavier, sugere sermos guiados pela misericórdia e não pela crítica, o benfeitor refere-se às acusações surdas que nascem do orgulho, e não às críticas positivas que brotam espontâneas do julgamento imparcial e fraterno, objetivando sempre corrigir ou ajudar. E o seu lema, “valorizar o esforço alheio”, não implica a valorização dos erros e dos enganos do próximo, mas o reconhecimento dos esforços empreendidos por todos a favor da causa comum.

Formas diferentes de criticar

Na década de 1970, o insigne escritor espírita, Herculano Pires, publicou o seu ensaio A pedra e o Joio. Alguns espiritistas, à época, muito questionaram as atitudes do nobre professor por ter dirigido suas críticas, por meio do ensaio, a outro espírita importante, o sr. Hernani Guimarães Andrade. Em verdade, o que a maioria dos acusadores não considerou é que Herculano tecia críticas à obra do sr. Hernani, denominada A Teoria Corpuscular do Espírito. Portanto, suas críticas literárias estavam direcionadas aos pensamentos de Hernani, e não aos seus propósitos, que eram positivos em prol da Doutrina. Assim, tendo a sapiência e o cuidado de diferenciar autor de autoria, escreveu Herculano:

“As intenções do sr. Guimarães Andrade são boas. Seu desejo expresso é o de colaborar para que o Espiritismo se firme no meio científico. Não obstante, verá o leitor que a teoria corpuscular se propõe a reformar a doutrina espírita e a substituí-la. Toda a codificação kardeciana é considerada como coisa do passado. Essa a razão que nos levou a examinar a teoria.”

Na crítica aprofundada que faz da Teoria Corpuscular do Espírito, examinando a teoria e não os propósitos do autor, professor Herculano (cujo Emmanuel afirmou ser “o metro que melhor mediu Kardec; a maior inteligência espírita contemporânea”) esclarece ser a palavra crítica usada em seu ensaio “no sentido clássico de avaliação de uma obra ou de uma teoria, e não no sentido popular de censura ou maledicência”. Disse ainda professor Herculano que “a crítica como avaliação é indispensável ao desenvolvimento da cultura, ao aprimoramento da inteligência”.

Descubra a verdade por trás das mulheres afegãs

As críticas destrutivas no dia a dia

críticaSabemos o quanto as realizações úteis na Terra exigem paciência e suor, trabalho e sacrifício de todos nós. Se edificar é muito difícil, destruir e eliminar é muito fácil. Assim, a crítica destrutiva é um tipo de martelo pesado que usamos no calor do crime, ante o respeitável esforço alheio. Em verdade, o odioso fermento da crítica e da intolerância é semelhante à soda cáustica sobre a ferida ou ao petróleo no incêndio.
Em nossos dias, é sabido que as acusações e as censuras por meio da crítica mordente e da ironia venenosa agravam o desprezo para conosco próprios e a revolta para com os outros. Se tivermos, portanto, que condenar esse ou aquele irmão de trabalho ou de luta, ao invés de amargurá-lo ou complicá-lo usando irritação e azedume, vamos auxiliá-lo com o nosso próprio exemplo.

Autocrítica no centro espírita

Por meio do excelente livro Desobsessão, ditado pelo espírito André Luiz, psicografias de Chico Xavier e Waldo Vieira, selecionamos alguns valiosos ensinamentos de como podemos exercitar a autocrítica, que são qualidades essenciais para praticarmos, com discernimento, as nossas lides coletivas nas casas espíritas:

– Abstenção de melindres ante apontamentos dos esclarecedores ou dos companheiros, aproveitando observações e avisos para melhorar-se em serviço;
– Compreensível rogar aos colaboradores da tarefa a total abstenção de temas contrários à dignidade do trabalho que vão desempenhar;
– Evitem-se os anedotários jocosos, as considerações injuriosas a quem quer que seja;
– Esqueçam-se críticas, comentários escandalosos, queixas, azedumes, apontamentos irônicos.

Por fim, ante a autocrítica – obrigação nossa de cada dia –, que sejamos fiscais de nós mesmos para que não nos apresentemos como verdugo dos outros. E reparando os nossos próprios atos, que possamos viver hoje a posição do juiz de nós próprios, a fim de que amanhã, não amarguemos a tortura do réu.

Por falar em crítica, a obra Em nome de Kardec traz uma análise espírita inédita sobre o período histórico seguinte ao desencarne de Kardec. Saiba o que ocasionou o desaparecimento do Espiritismo na França. Faça o download do primeiro capítulo AQUI, e aproveite para deixar a sua opinião sobre como você lida com as críticas que recebe em seu dia a dia ou mesmo na casa espírita que frequenta.

crítica

Comentários

comentários

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>